terça-feira, 2 de março de 2010

A lojinha tá de volta com um carinho para as suas compradoras

Quando resolvi me desfazer do meu arsenal de fios em meados de 2009 jamais imaginei que chegaria tão longe. A lojinha resistiu bravamente até o início de dezembro.
Aí vieram as festas, carnaval, calorão. Então, como todo negócio sasonal, a lojinha deu um tempo nas atividades.
No período em que a lojinha funcionou a pleno novelo (ops, vapor) tive o prazer de 'conhecer' um monte de arteiras, de fazer tantos novos amigos. De me emocionar com palavras de incentivo recebidas dos mais diversos pontos do Brasil.
Algumas das minhas diletas compradoras, no final das atividades da lojinha em 2009 atenderam ao meu pedido e gentilmente me enviaram textos falando sobre suas histórias com o tricô.
Na época em que recebi as mensagens estava toda atrapalhada com problemas pessoais e acabei não prestando minha homenagem a estas clientes tão queridas.
Com a volta gradativa das atividades quero deixar registrado aqui o meu apreço a todas que me prestigiaram ao longo de 2009. Deixo também um abraço muito especial àquelas que enviaram seus relatos para ilustrar o quanto o tricô e outras artes manuais alegram o nosso dia a dia.
Sei que o calor ainda está comendo solto em muitos lugares, mas arteira que se preza não abandona jamais suas agulhas e suas artes.
Enquanto as novidades não aparecem vejam só que delicia de mensagens, e preparem-se porque nos próximos dias a lojinha volta a agitar o mercado de fios, agulhas e afins.

Eliane de Governador Valadares
"Meu nome é Eliane, e tenho 42 anos.
Aprendi o crochê aos 8 anos de idade com uma tia muito já falecida.
O tricô aprendi aos 14 anos com uma vizinha que mal sabia o ponto tricô e o meia. A vontade de aprender era tão grande que assim que aprendi os 2 pontos, comprei revistas e não parei mais. E poucos meses depois já estava dando aulas pra ela, que me ensinou.
Hoje tenho aprendido muito mais pela internet nos grupos que participo e com amigas que tenho feito pela bendita internet.
Por causa dela, tive oportunidade de conhecer o 'lace' (rendas de tricô), e me apaixonei perdidamente. Agora, o céu é o limite!"

Ana Elisa de São Paulo
"Eu aprendi primeiro o tricô, quando era adolescente com minha tia espanhola...
aprendi ainda a colocar a agulha embaixo do braço e tricotar assim, com comecinho duplo para ficar mais bonito e mais firme o tricô, aos poucos fui mudando o jeito de "pegar" nas agulhas, mas mesmo assim, ainda acho meu jeito de tricotar demorado....
o crochê aprendi nas revistas e ainda acho que para casa é o mais bonito e para vestuário, sem dúvida: tricô...
Hoje faço para me distrair e também vendo cachecóis em tricô..."

Regina de Campinas
Aprendi a fazer tricô, por curiosidade. Minha mãe sempre fazia alguma coisa no inverno, uma blusa pra alguém da família, ou um xale pra vender. Mas foi só quando vi uma prima fazendo uma blusa pro namorado dela, que deu um estalo daquela vontade de aprender a fazer tricô. Fiz algumas blusas, tudo com orientação da minha mãe junto, mas depois, quando entrei na faculdade, as agulhas e lãs ficaram de lado. Há cerca de uns 3 ou 4 anos atrás, vendo a Vitória Quintal falar sobre fazer uma blusa a partir de um cachecol tive uma vontade imensa de voltar a mexer com as agulhas. Mas queria fazer coisas diferentes - não aquelas receitas tradicionais da época da minha mãe. Só com ponto meia e tricê tem várias coisas que podem ser feitas - e não precisa ser um tricô monótono! Fui às compras e descobri uma infinidade de tipos de lãs diferentes, peludas, com fios sintéticos, agulhas, separadores, etc, etc Comecei pesquisar na internet - e encontrei várias meninas tricoteiras/arteiras e blogueiras, além dos vídeos! Descobri os sites americanos com receitas superdiferentes.De lá pra cá, não me arrisquei a fazer nenhuma blusa sozinha, ainda, embora tenha "ensaiado" algumas vezes nos últimos meses. Enquanto isso, faço cachecóis, echarpes com ponto "lace", "mitens"(aquelas luvas sem dedo) - até participei do projeto misterioso 2 das meninas do site "Tricoteiras" (ficou um xale ma-ra-vi-lho-so, e a receita nem é tão difícil assim."

Simone de Porto Alegre
Comecei a fazer trico aos oito ou nove anos, com varetas( o jogo de varetas), roupinhas pras minhas bonecas, minha mãe nunca foi muito abilidosa com as agulhas, mas sabia alguma coisa e me ensinou, e a minha tia vendo que eu gostava de tricotar deu-me o meu primeiro par de agulhas e alguns novelos da linha Santista(nem existe mais, tenho uns dois blusões tecidos com ela e não têm uma bolinha, era uma um fio nacional de muita qualidade...) com eles fiz o meu primeiro cachecol que minha mãe usa até hoje. Acho que fiz trico até os catorze anos depois parei por quase dez anos e voltei com tudo, nesse período aprendi a fazer crochê, que também adoro. Nunca tive uma aula de trico ou croche, sempre uma vizinha ou uma amiga ensinava um ponto ou outro. Dizem que cada um deve ter um dom, não sei cantar, não sei desenhar como os meus irmãos, mas graças a Deus sei tricotar e crochetar. E fico muito feliz que tenhas gostado dos meus trabalhos, Sempre faço com muito carinho e dedicação, sou daquelas que está na última carreira, mas se vejo um erro desmancho tudo e começo de novo."

Ana Paula de Campinas
"Tenho 28 anos e desde de pequena via minha avó com suas lãs e agulhas e achava o máximo.Comecei colocando a linha nas aguhas...depois minha avó me ensinou o ponto trico e fui convivendo com isso, inclusive minha mãe que fazia roupas lindas de trico, ou seja, as mulheres da minha família tiveram grande influência no meu interesse por essa arte. Nunca esqueci a primeira peça que fiz, um cachecol um pouco torto, com algumas falhas,mas desde esse dia meus olhos brilham qdo vejo agulhas e lãs.Principalmente as lãs maravilhosas e diferentes da Lojinha da Milady..... Hj digo que ainda sou nível iniciante III rsssss faço minhas primeiras blusas, pontos mais elaborados, mas ainda tenho muito que tricotar e aprender... Tricô pra mim é um dos simples prazeres da vida, daqueles que nunca devemos deixar de ter......."

Sandra de Brasilia
" A minha paixão pelo tricot nasceu desde quando eu era pequenina lá no colo da minha mãe...Ela fazia tricot, minha avó materna fazia crochet ...e eu cresci vendo aquelas coisas lindas nascendo das mãos delas, e quis fazer também.
A variedade de peças que podemos criar com o tricot e com o crochet me deixavam encantada na adolescência... eu ficava imaginando quando ia ficar pronto meu primeiro cachecol...e daí fui crescendo e queria mais muito mais....ufa...energia...queria uma máquina de tricot! Para fazer mais rápido e ver os resultados logo! Mas, com os cabelos brancos vieram a paciência...putz ! ...como é bom esperar e ver o trabalho pronto...e daí a alegria das pessoas quando observam uma peça feita por você e querem uma igual e a outra também quer e outras vão querendo ....seu marido quer um colete ...e daí vc começa a fazer tricot por encomenda...outro desafio....como terminar no tempo certo? Mas daí o prazer vai desaparecendo e isso eu disse para mim: não quero!Tricot para mim tem que ter prazer! Tem que me trazer emoção! Pois as minhas criações estão cheias de emoção, cheias de amor, cheias de prazer.E quando chegar a tão desejada cadeira de balanço (falta um tempão ainda gente...he He) eu vou me deliciar novamente , novamente e novamente juntinho dos meus gatos e do meu amigo, amado e companheiro tricot."

Magdaly de Guarulhos
"O motivo de fazer estas artes, é composto por 5 letrinhas: Sarah. Ela é o motivo de expressar toda a minha alegria nas coisas que faço, mas tenho uma frase comigo: "Trabalhe de tal maneira que a sua sensibilidade seja passada a todas as pessoas que estão ao seu redor". A minha alegria de ser mãe épassada através de meus trabalhos..."

Muito legal né pessoal. Saber que pessoas espalhadas por este Brasil abraçam um hobby com entusiasmo é motivador e me incentiva a continuar com a lojinha, com minhas artes e renova minhas energias todos os dias.
Bom tricô, crochê, bordado, tapeçaria, tear e tudo mais que envolver seu tempo em algo que ninguém pode tirar de vocês: sua criatividade.























3 comentários:

Regina Yatiyo Otake disse...

Oi Grace,
Obrigada pelo carinho! Estava com saudades!
bjo,

Regina, de Campinas

Sandra Louzada disse...

Oi linda! Obrigada por tudo , principalmente pela paciência comigo. Que bom estar de volta! Estou aguardando ansiosa as novas postagens! Beijos! Sandrinha-Brasília (chicory88@gmail.com)

Anônimo disse...

Eba! lojinha voltando das férias Depoimentos lindos!
Dirma


Blogger Templates by Isnaini Dot Com and Wedding Gowns. Powered by Blogger